Área do Cliente

Conceitos sobre o que é fumaça

Trouxemos em nosso primeiro artigo, o que é o fogo e como ele se origina e mantém, e nos antecipamos no segundo apresentando tipos de detecção de fumaça. Porém, o que é a fumaça que detectamos? Do que é composta? Explico um pouco neste artigo.

A fumaça é um subproduto não desejado, originário de uma queima. É resultado de uma combustão incompleta de qualquer material combustível.  Quando completa, a queima de um material gera como únicos subprodutos, água e dióxido de carbono (CO2), portanto, não há fumaça.

Já na combustão incompleta os subprodutos são monóxido de carbono (CO) e água ou também carbono elementar (C) e água. Nesta situação o comburente, no caso o oxigênio, tende a não ser suficiente para consumir todo o material e carbono pulverizado, fuligem, e outros compostos gasosos resultantes de reações com outros gases presentes no ar (ar é composto de 21% de O2, 78% nitrogênio, e restante CO2 e outros gases) são liberados e esta forma visível é designada fumaça.

O termo “fumo” possui definição variada nos ramos mais profundos da ciência, porém em sistemas de detecção e alarmes de incêndios, trabalhamos com a definição mais comum: produto gasoso da fase condensada dos produtos da combustão.

A fumaça varia bastante em relação a sua aparência e estrutura, desde fumaça levemente colorido a gotículas produzidas ao calor latente (calor necessário para a mudança de fase) e pirólise (reação de decomposição a altas temperaturas) de combustíveis com fumaça negra até partículas sólidas ou fuligem produzidas por combustão flamejante.

A emissão de fumaça é um dos elementos básicos para a caracterização de um ambiente de fogo e é a principal causa de morte em incêndios. Os componentes tóxicos presentes na fumaça, como o monóxido de carbono e as pequenas partículas sólidas em suspensão, bloqueiam os alvéolos pulmonares, impedem a oxigenação do sangue e causam asfixia.

A fumaça gerada da queima dos combustíveis normalmente encontrados num incêndio, possuí alta obscuridade o que dificulta muito a orientação da população no interior da edificação, causa desnorteio e impede que consigam se localizar e alcançar a saída facilmente.

Esta característica de obscuridade à luz, é o que proporciona o funcionamento dos detectores, como explicamos. Portanto, se usada a nosso favor, a fumaça pode ajudar na identificação precoce de um incêndio, para combate-lo em sua fase inicial enquanto as chamas ainda não estão altas, e aumentar as chances de evacuação segura dos ocupantes do ambiente.

Felipe Melo é diretor de projetos da ICS.

Os comentários estão encerrados.